quinta-feira, 17 de março de 2011

Mapona - primeiro filme porno da África do Sul almeja estimular metodos preventivos



'Mapona' (nu em língua sotho) é o nome do primeiro filme pornográfico produzido na África do Sul em que as actrizes são negras. Isto acontece 16 anos após o fim do Apartheid. O diálogo entre actores, ainda mais ligeiro do que as suas roupas, é nos principais idiomas africanos do país: zulu, xhosa e sotho. O produtor, Tau Morena, classifica o filme como "uma experiência voyeurista" e indica que esta é uma história de "pessoas normais para pessoas também elas normais" num país onde 80% da população é negra, indica à AFP . Desde que o filme se estreou, a 30 de Setembro, já vendeu 5 mil cópias de DVD em sex-shops. Esta iniciativa levantou polémica, pois muitas pessoas afirmam que serve para encorajar práticas sexuais desprotegidas no país mais afectado do mundo pelo vírus da sida. Num total de 50 milhões de habitantes, 5,2 milhões de adultos são portadores do VIH. "Todos os actores fizeram os testes para detectar o vírus e outras doenças sexualmente transmissíveis . Cada cena de sexo do filme implica o uso de preservativo", defendeu o produtor. Uma raridade no panorama sul-africano. O realizador já prometeu um 'Mapona' 2. 




Este é o primeiro filme pornográfico África do Sul: o elenco do filme Mapona Volume 1 é composto inteiramente por negros. A comunidade virtual Sondeza , um Porntube africano, que iniciou o projecto, após receber queixas de cerca de 30.000 membros do site, cansados de pornografia importado dos EUA, Europa ou Ásia.Confrontados com este problema os produtores da indústria cinematográfica ganharam a força necessária, em um país ainda muito conservador, onde a maioria da população é fundamentalmente oposta à pornografia.

O filme, cujo título significa "Nua em Sesotho (África do Sul)" reúne atores amadores: um total de cinquenta pessoas responderam ao anúncio. Com este primeiro porno-negro que acaba de chegar no mercado local, tivemos a oportunidade de lutar contra a AIDS, que ainda mata 1.000 pessoas por dia na África do Sul. Os atores, três mulheres e dois homens, foram escolhidos após rigorosos teste de DST e HIV. Estimulando assim a população agir do mesmo modo.










Tau Morena, um produtor e fundador do projeto, disse ao Guardian: "Nós destacamos toda a mídia do sexo seguro, mas ninguém mostra. O filme ressalta o uso de preservativos ainda pouco popular entre alguns grupos. Portanto, este filme transmite uma mensagem que é sexo seguro. Não finja que não é um filme hardcore de entretenimento adulto, mas ao mesmo tempo é também uma forma de educar e informar ".

O produtor disse que um segundo volume de Mapona, que foi filmado em três dias, já está sendo planejada, e pode ser acompanhado de materiais de sexo seguro educacional.







Mas houve uma resposta cautelosa dos militantes do HIV / Aids. Rebecca Hodes, diretor-adjunto da Aids e a Sociedade de Pesquisa da Unidade de Cape Town University, disse: "Eu não tenho certeza se é uma coisa boa, mas é uma pequena coisa boa que eles estão usando preservativos".

Outro sinal da volta do mercado erótico a Africa do Sul foi o anuncio da volta da Playboy ao país após uma ausencia de 13 anos.

História
Os filmes pornográficos começaram a ser realizados no underground. A câmera era utilizada de modo amador e os filmes tinham distribuição limitada. De início, sua projeção era feita basicamente na casa do cliente ou em clubes privados. Atualmente, o cinema pornô é uma indústria, contando inclusive com suas próprias estrelas. Em alguns países, os cachês atingem valores significativos, muitas vezes superando o cachê de artistas razoavelmente bem sucedidos em outras áreas do cinema.


Os filmes pornográficos existem desde a época do cinema mudo, e eram usualmente rodados em bordéis. Em 1970 nos Estados Unidos, o cinema pornô ganhou forte impulso, graças à eliminação do Código das Produções e à instituição da classificação de filmes por faixa etária, deixando de ser um produto do submundo criminal e se constituindo numa indústria publicamente instalada. Passaram a ser exibido em cinemas próprios, conhecidos por "Salas Especiais".


Nessa época alguns filmes ficaram para a história, como Garganta Profunda (ou "Garganta Funda", como ficou conhecido em Portugal), O Garanhão Italiano, Atrás da Porta Verde e O Diabo na Carne de Miss Jones, que foi uma superprodução para a época.


A difusão dos vídeo-cassetes (ou gravadores de vídeo, como são conhecidos em Portugal), nos anos 1980, fez renascer a indústria de vídeos pornográficos, permitindo que os consumidores vissem os filmes, muito mais comodamente, no conforto da sua casa. A popularização do aparelho de vídeo e das câmeras também permitiram que os mais ousados começassem a filmar seus próprios vídeos, tornando corriqueiro o filme pornô amador (que encontra muitos adeptos atualmente).


Com o advento do DVD e da internet, a produção de vídeos pornô ficou mais fácil ainda, embora industrialmente esteja concentrada em algumas empresas.


Geral
Os vídeos pornô de hoje em dia podem ser divididos em diversos sub-gêneros: pelo sexo dos atores, tipos de ato sexual e o gosto sexual da audiência. (...) Ao mesmo tempo, uma distinção pode ser feita de todos esses gêneros, entre todos esses filmes a história é bem parecida, alguns filmes têm alguma história em cima, mas a grande maioria faz alguma introdução e depois começa o sexo.


Clichês
Há bastante coisa comum nos filmes dos anos 1990 e 2000. O sexo é mostrado de forma geral, não demonstra afeto entre os atores e basicamente não tem história: os dois atores se encontram em alguma situação e começam a fazer sexo. A maioria também tem uma sequência comum: oral, vaginal, anal e ejaculação (na maioria das vezes no rosto da parceira).


AIDS e os filmes
Com o surgimento da AIDS nos anos 80, um grande número de atores tornaram-se soropositivos, e como na época não era obrigatório o exame de HIV, a proliferação foi enorme, um grande número de mortes no meio aconteceu. Atualmente cada ator é obrigado a fazer no mínimo um exame de HIV por mês, sem isso eles não podem fazer filmes profissionais. Alguns países, como o Brasil, exigem o uso da camisinha nos filmes, mas há empresas que dizem que isso faz com que a venda de filmes caia. O cinema pornô americano e o europeu atingiram no início do século XXI índices de contaminação quase nulos, chegando a períodos de anos sem relatos de contaminação em filmes das grandes produtoras.




Fontes: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário